sábado, 30 de maio de 2015

Não aceite isso


Sinto-me um estranho na vida que vivo, tenho percebido que as pessoas com quem me relaciono são recheadas de padrões próprios e refletem sua compreensão do mundo que as cerca, levando em conta seus próprios entendimentos. Nos quais se baseiam par viver, agir e interagir inclusive para exercer julgamentos quanto a fatos que circunstancialisam todos os aspectos de suas vidas. Estou falando não do secularismo, por agora, mas do cristianismo, que tenho observado muito de perto nos últimos 25 anos de minha vida.
Parece-me que alguém, de alguma forma trouxe aos homens, uma nova bíblia ou uma nova revelação de Deus quanto a maneira de viver e de se comportar o homem, em sociedade, com vistas ao reino de Deus. Ou será que a bíblia que se usa no Brasil foi reformada para adequar-se ao contexto da atual civilização secular moderna? Pode ser também, que tenha havido algum erro na tradução da mesma e que eu tenha conseguido a única bíblia preservada em sua mensagem sagrada original. O fato é que a vida cristã dentro das igrejas denominadas “cristãs”, diferem em muito de um entendimento no mínimo coerente com os textos sacramentados nas escrituras.
O tendenciosismo secular, tem invadido as igrejas, convencendo pessoas a uma conformação conveniente, que adapta o cristianismo ao mundo secular contemporâneo. A cultura exterior permeia a igreja e dita o comportamento de homens e mulheres cristãos, independente das considerações doutrinárias prescritas por Deus através dos textos sagrados. Viver o evangelho primitivo, está “fora de moda” e ninguém se vê obrigado a fazer aquilo que, por si mesmo (a), julga ultrapassado, constrangedor ou que vá contra aquilo que se entende por certo. As lideranças eclesiásticas por sua vez, preocupadas com os números e não com as almas, evitam na maior parte, manifestarem-se a respeito, fingindo desconhecerem o problema, submetendo-se covardemente, ao estabelecimento de tantas heresias, compactuando, ora pelo medo de perder membros em suas igrejas, ora por ambição explicita.  
  Assim, as igrejas permanecem lotadas aos domingos, onde se prega um evangelho pouco exortivo e mais consolador, cheios de promessas de “vitórias” que induzem as conversões pelos não menos apelos feitos nos mesmos cultos. “Chega a ser vergonhoso para mim, assistir depois de uma pregação, as vezes que o pastor pergunta se têm alguém que deseja aceitar Jesus”.
A Palavra é bem clara, é como água cristalina quando diz o que nela está contido. Por exemplo em 2 Coríntios 5:17 - “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo . Nada está revelado por este versículo, senão o que nele está escrito “nova criatura”, houve um despojar-se da velha criatura, refere-se ao pecado, como o estado anterior ao da conversão. Uma vez convertido, o ser humano passa a viver em novidade de vida e tudo o que habitualmente fazia de forma contrária a vontade de Deus, deixou de fazer (Tudo se fez novo), é o fundamento da conversão genuína, o fazer-se sem embaraço, a vontade daquele que nos resgatou da morte, do lamaçal do pecado, nos transportando das trevas, para sua maravilhosa luz.
Aversos às revelações testamentárias, não obstante e nem inconscientes, muitos enveredam-se pela cultura secularista, que se estriba no evolucionismo cultural (para mim inversão dos valores Judaico-cristãos que devem nortear a mente e o comportamento do cristão). Temos com isso, assistido o despencar da sociedade ante a depreciação desses valores. Onde todos os que convictamente procuram fazer a vontade de Deus, segundo às Escrituras Sagradas, são ignorados ou deixados para trás, como se não pudesse participar da comunidade religiosa, que se autodenomina “cristã”.
A modernidade tem imposto a forma de vida padrão dos seres humanos, de forma que suas tendências quase que obrigam o cristão a acompanhar seus parâmetros, com seus valores estabelecidos, com base em uma liberdade vulgar, obscena e profana. Onde as coisas criadas por Deus são desimportantes, assim como o que está escrito na bíblia sagrada não deve passar de ritos executados aos domingos nos cultos das diversas denominações. Na hora de se revelar cristãos de fato, as coisas começam a dar errado. Esta influência secular, mistifica a crença em Deus tornando-a como qualquer religião ou seita anticristã (só se tem obrigação quando das celebrações nas congregações e reuniões da igreja).
Outro fato que assisto, tem a ver com os relacionamentos interpessoais em família: Filhos desrespeitam os pais, pais desrespeitam os filhos; sexo passou a ser uma questão de escolha, ou seja: “Nasci homem, mais posso escolher se quero mesmo ser homem, caso contrário, serei mulher e vice-versa”; casamentos são circunstanciais e transitórios, duram até quando uma ou as duas partes do conjugue, por qualquer alegação resolvem divorciarem-se e constituírem outro casamento (uma frase muito repetida nestes casos é: “- Ninguém está obrigado a viver com quem não suporta ou não ama simplesmente”. Os pais não podem mais impor sua educação aos filhos, mas deixar que o governo os direcione indutivamente, através das variadas formas de apologia à perversão, presentes na mídia.
Desta forma é que a família, como instituída por Deus, perde suas características fundamentais, baseadas no amor e no respeito estabelecidas por Deus e confirmadas em Jesus Cristo.
Vê-se claramente, os que são de Cristo, que isso tudo não passa das investidas ferozes de satanás, que veio para roubar a paz do cristão e tudo o que foi conquistado na cruz do calvário, matar os sonhos dos servos de Deus, subtrair-lhes a vida, se lhe for permitido, destruir tudo o que foi construído por Deus para harmonia e equilíbrio da humanidade.
Mas por outro lado temos que Cristo veio trazer libertação e vida (vida com abundância) Abundância de caráter, de paz de saúde, de amor e também de provisão relativa às necessidades gerais de seus servos. Mas, principalmente para devolvermos a vida no seu significado original; ou seja: a imortalidade. Dando-nos, aos que cremos, de volta a vida eterna.
A destruição para muitos será inevitável, assim como o castigo eterno imputado por Deus àqueles que se submeterem a esse sistema pervertido adotando-o, ainda que seja parcialmente.
Acomodar-se na conformação, é tornar-se cúmplice de tal sistema, absolver suas práticas é tornar-se culpado do sangue de Jesus Cristo. Assim temos que estar atentos à vontade de Deus, e Ele mesmo nos deixou alertas a respeito destas coisas, através das Escrituras: “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:2

            Através da carta de Paulo aos Romanos, podemos ver que Deus, nos quer firmes e convictos de nossa fé, e que pelo nosso novo viver, nossa nova compreensão dos valores que tanto Cristo nos ensinou, neguemos toda influência contrária à sua vontade, entregando-nos confiantes a sua doutrina, entendendo que isso é o melhor que há em Deus para as nossas vidas. Não se pode ditar o que devemos ou não obedecer, pois tudo já foi dito claramente por Deus. Submeter-se por inteiro, e fazer toda a sua vontade, rejeitando qualquer tipo de pensamento secular que se tente introduzir em nossas mentes nos nossos lares, nas nossas igrejas e nos nossos hábitos, negando inconformados todas as concupiscências e julgamentos e conselhos, afirmações e ensinamentos do mundo secular, constitui-se em sabedoria do alto.
            As “coisas” a que Paulo se refere, são aquelas que praticávamos quando pertencíamos ao mundo (coisas do mundo). Veja pelo seu novo entendimento que você cristão, não pertence mais a este mundo “. Prova cabal disso, é que quando se vive de acordo com a vontade de Jesus, somos odiados por todos e até dentro das igrejas encontramos não pouca resistência. Ser de Cristo, é não pertencer mais ao mundo, é viver de forma totalmente contrária aos seus ensinamentos pervertidos, mas viver conforme os ensinamentos daquele que deste mundo nos resgatou. É ele mesmo quem nos estabelece como estranhos a esse mundo, em João 17:14-16 está escrito: “ - Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo. Não peço que os tire do mundo, mas que os livre do mal. 
            O novo entendimento deve-nos proporcionar pensamentos bons, perfeita justiça e total submissão à Deus e a sua vontade em Cristo. Não iremos subir com Cristo se nossas botijas estiverem pela metade. Se a entrega for total então experimentaremos a boa e perfeita e agradável vontade de Deus para as nossas vidas; e então todas as coisas contribuirão para o nosso bem.
... continua no próximo domingo